sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

A intensidade das coisas

Há momentos e fases na vida em que o tempo deveria parar, congelar por instantes. Duplicar as 24h do dia em 48h ou mais, só para que a felicidade durasse (ainda) mais tempo... Bem sei que haverá mais dias, mais horas, mais minutos, mais momentos... Mas cada segundo é precioso quando estou junto a ti e, por isso mesmo, quero aproveitar ao máximo, com a intensidade com que as coisas bonitas podem e devem ser vividas. Há momentos e fases na vida em que o coração está mesmo cheio de açúcar e que a expressão "mel" faz todo o sentido... Mas e então? Não é maravilhoso gostarmos de alguém e expressarmos isso de forma doce? Não apetece gritar aos quatro ventos "estou apaixonada!!" Pois estou e ainda bem que estou e quero continuar a estar... A felicidade que sinto sente-se ao longe e que assim perdure por muito muito tempo :) Sabem aquela música da Bela Adormecida? "Foi você, o sonho bonito que eu sonhei, foi você eu lembro tão bem, você a linda visão, que me fez feliz e o meu amor nasceu então, e aqui está você, somente você, a linda visão, aquela do sonho que eu sonhei... la la, la la, la la, la la la la, la la, la la..." Aquela pessoa com quem tu queres partilhar a tua vida, as coisas boas e menos boas, aquela que te ouve, que te compreende, que te faz feliz, muito feliz...

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Algures atrás de um arco-íris...

Quando a estagnação se apodera de nós e ficamos sem saber o que mais fazer para a vencer, para andar para a frente, para evoluir e crescer... Para seguir com a nossa vida, encontrar outras soluções, outros caminhos, outros sonhos... Parece que grande parte do que desejamos para nós e para o nosso presente e futuro está guardado a sete chaves, algures atrás de um arco-íris, como se de um pote de ouro se tratasse. Só que em vez do ouro, o que aguardamos é uma oportunidade, A grande oportunidade da nossa vida. Um emprego que nos realize, um amor que nos preencha, algo que nos motive e faça acreditar e persistir na luta diária com a convicção de que tudo aquilo por que já passámos valeu a pena. Mesmo que a alma não seja pequena. Não considero que o seja, mas está cansada. Cansada de procurar, cansada de esperar, cansada de viver no marasmo, aguardando que um dia tudo melhore. E assim vamos vivendo, na ilusão e desejo que a vida dê uma reviravolta e que estas desventuras tragam algo que eventualmente passe a fazer sentido para nós. Recomeçar. Não do zero, porque tudo até aqui foi aprendizagem e fez com que crescessemos e nos tornassemos pessoas melhores. É impossível apagar o passado, o nosso percurso até hoje. Mas e que presente hipotecado é este em que nos colocaram? Em que nos limitam de sonhar, de realizar, de concretizar? O que será que o futuro tem reservado para nós? É certo que "o caminho faz-se caminhando...", mas e quando o caminho parece ser demasiado longo e o final do arco-íris demasiado distante e difícil de alcançar? Gostava de ter respostas para todas estas questões que ecoam na minha mente, mas infelizmente não tenho e o que me resta é continuar, persistir, seguir, resistir, viver e não desistir. Quem sabe um dia acorde com esta música a fazer sentido e consiga retomar o que ficou perdido algures por aí... "Somewhere over the rainbow..."

quinta-feira, 7 de março de 2013

Brilhozinho... Nos olhos?

Curioso como quando nos sentimos de bem connosco, tudo à nossa volta nos parece melhor e mais simples. Mesmo com a crise que o nosso país atravessa (financeira, mas sobretudo de valores...). Ainda há pessoas boas, que vale a pena conhecer e descobrir, ainda que aos poucos, lentamente... ao ritmo que tem de ser. É bom quando há pessoas que nos surpreendem pela positiva, que nos fazem, de certa forma, sentir especiais, precisamente por elas serem também especiais e gostarem de mimar as pessoas de quem gostam. Podendo essas pessoas estar também, ou não, de bem com a vida, mas querendo sobretudo que as pessoas que as rodeiam se sintam bem, com o coração aconchegadinho e cheio de açúcar... Curioso como o brilho que vemos em certas pessoas, imana também para nós que recebemos o calor daqueles raios de sol que nos aquece e alumia tanto a alma. Bom saber que tenho pessoas assim na minha vida. Que é sempre quentinho revê-las, falar com elas, mostrar-lhes o quanto gostamos delas, já que elas fazem o mesmo por nós, fazendo-nos sentir mais fortes, seguros e amados. Amizades e pessoas assim são cada vez mais raras e por isso respeito e valorizo tanto essas pessoas especiais da minha vida, que fazem com que cada dia seja uma novidade e alegria constantes. Pessoas que conheço há anos e anos (e que sabem tão bem quem são que não precisam de nomes...) e pessoas que vou conhecendo recentemente mas que parecem igualmente ter surgido com vontade de ficar. É muito bom sentir este brilhozinho e verificar que quem está de fora também nos sente com mais brilho, um brilho interno, na alma e no coração, que se espelha cá para fora. Um brilho que nos faz ser (ainda mais) generosos, com vontade de partilhar, de dar mais de nós aos outros e ao mundo, um brilho que nos faz sentir mais bonitos, mais especiais e mais inteiros, por conseguirmos atingir essa serenidade com que tanto ansiávamos. E os outros reparam, e gostam (ainda mais) de nós assim, confiantes, serenos, porque também lhes damos alguma estabilidade e segurança. A vida é uma troca, uma partilha. Tudo o que damos ao mundo, retorna para nós em dobro (era uma coisa assim, não era?). E eu acredito que por mais que me sinta "brilhante" e feliz, ai... ainda há tanto mas tanto de bom para vir! :)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Coração (im)paciente

De há uns tempos para cá apercebi-me que sou mais paciente do que alguma vez imaginei que poderia ser. Aquela impulsividade e imediatismo que me caracterizavam começaram a esbater-se, tornando-me mais calma, mais serena, tranquila, paciente, feliz e de bem comigo, com os outros e com a vida. Curioso que este bem-estar interior se está a reflectir muito cá fora... Quem me conhece sabe e reconhece que estou diferente, bem-disposta e com uma felicidade inquestionável. Gostar de mim mesma faz com que me sinta mais à-vontade para brincar com as pessoas que conheço, umas há mais tempo, outras não há tanto tempo assim... E não ter tanto medo do que eventualmente poderão pensar de mim. Eu gosto de mim. Se gostam ou não, não sei, mas sinceramente isso já me preocupou mais do que hoje em dia. Estou de bem comigo. E sinto-me mais livre, mais leve e preparada para a minha vida daqui para frente. Para encarar a adversidade com um sorriso e as dificuldades que surgirem no caminho com confiança e serenidade. Para enfrentar os desafios que a vida me propuser com calma e sem pressas, porque acredito que tudo acontece por algum motivo. Se não sou seleccionada para algum projeto é porque algo melhor está para surgir, no campo pessoal ou profissional. Quem sabe o que o futuro me reserva... Um amor estável e que me faça feliz, um emprego onde me sinta realizada? Não sei, ninguém pode saber... Mas sei que vou continuar a lutar por mim, pela minha vida, por aquilo em que acredito e considero que mereço. Pode demorar mais ou menos tempo sim, mas não é por isso que a minha esperança vai desaparecer. A minha alma e o meu coração são, agora, pacientes. Sabem que nem tudo é um mar de rosas e que podia sentir-me mal por não ter emprego, por não ter alguém na minha vida... Mas eu escolhi o caminho oposto. Escolhi-me a mim mesma, escolhi acreditar em mim, acreditar que é possível ser feliz e tenho conseguido sê-lo. Se gostaria de partilhar a minha vida com alguém que me fizesse feliz, com que pudesse sentir realmente o que é amar e ser amada, dar e receber, passar o meu dia-a-dia e fugir da rotina e sentir que essa pessoa me faz e quer bem? Claro que sim... Todos, nem que seja no mais íntimo de nós, desejamos que isso um dia aconteça. E eu não sou excepção. E é curioso... Hoje consigo perceber claramente o que quero, o que me faz bem e não quero perder o meu tempo com pessoas que me consomem os dias... Quero pessoas com quem me sinta bem, não necessariamente sempre feliz, não necessariamente sempre à-vontade, mas que saibam encarar a vida com leveza, com vontade de a viver, mas com alguma prudência, porque nem sempre ser impulsivo é bom. Gosto de pessoas. Gosto de desafios. Gosto de brincar. Gosto de conhecer. Gosto de ter um (novo) coração que seja paciente. Não me importo de esperar. Gosto de saborear. Gosto (cada vez mais...) de gostar.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

O amor é mágico!

Para mim, um amor só resulta quando há vontade de construir uma relação a dois, de ambas as partes. Quando os dois dão o mesmo em doses iguais, quando a corda é puxada de ambos os lados, com jeitinho, para que não caia. Quando a chama é mantida por pequenos grandes gestos diários que estimulam a paixão e o desejo. Quando se apresenta essa pessoa especial aos pais e aos amigos, com o nosso maior sorriso e um genuíno orgulho por termos aquela pessoa ao nosso lado. São laços criados com o passar do tempo, que não surgem apenas momentaneamente. São histórias vividas e partilhadas, por entre o afecto e a dor, porque o amor, se for verdadeiro, só assim se vai solidificando. Há quem fale do "amor e uma cabana", não sou assim tão radical, mas considero que quando se quer ficar junto, dificilmente há algo que abale isso. Não existe distância para quem se ama. Quem realmente gosta, arranja sempre uma forma de conseguir estar com esse alguém especial. Por mais difícil que seja, por menos tempo que tenha, por mais longe que esteja... Quem ama, gosta de receber, obviamente. Quem disser o contrário, mente... Mas quando o amor é de verdade,gosta de dar também, porque além da satisfação própria, deseja a felicidade do ser amado. Um dia aprendi que o amor é um caso complexo, podendo mesmo ser caótica a catadupa de sentimentos e emoções que nos desperta. E apesar de tudo isso e de o verdadeiro amor ainda não ter chegado para mim, percebi que não o podemos evitar nem procurar, porque ele vem ter connosco quando menos esperarmos e de onde menos pensamos que ele possa vir. É por isto que existe magia no amor. Não é fácil que ele nos encontre, nem que alguém queira construir toda uma felicidade e uma vida em conjunto connosco, mas acredito que se o amor aparecer um dia, vai valer tanto, mas tanto a pena. :)

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Gostar é...

Hoje acordei e senti que estavas mais perto. Esta minha ânsia de amar converte dias, meses e até anos, em minutos, segundos e milésimas de segundo. Quero conhecer-te. Saber se és tão afável como imagino, tão meigo como desejo e tão especial como sempre soube que irias ser. Há dias assim, em que o coração nos parece saltar da boca, com vontade de gritar "ei, está aí alguém?". Dias em que tudo à nossa volta pára, só para que possamos pensar, sorrir, amar alguém. Porque é bom apaixonarmo-nos. O amor é bom. Tão bom e intenso que supera todos os dissabores que daí possam vir. Gostar é a arte de querer ver alguém feliz. Gostar é querer contribuir para a felicidade de alguém. Gostar é construir, é partilhar, é viver, é dar e receber. Mas nem tudo é como gostaríamos que fosse e a rapidez no amor não funciona. Não há "amores-fast-food". Há que ver, conhecer e deixar amadurecer, para saber se vale ou não a pena. Tudo na vida tem uma razão e um tempo. E é por isso que acredito no amor e que ele um dia também vai chegar para mim. Mas devagarinho, sem pressas nem atropelos, para ter tempo de marinar e crescer, forte e são. E quando ele vier, não querer tudo de uma só vez. É a conquista que lhe dá o gozo e o gostinho de sabor a vitória quando o "ganhamos". Não vejo o amor como um jogo, mas penso que a sedução é uma arma poderosa. Não revelar demais, não revelar de menos, revelar q.b., sendo sempre nós próprios, sem medo de nos mostrarmos. Porque por muitas cabeçadas que se dê, quase nada é mais bonito do que o amor verdadeiro. Gostar não é esperar, é deixar o amor vir ao nosso encontro e é, acima de tudo, gostarmos de nós mesmos, porque só assim alguém poderá descobrir e gostar desse tal brilho que há em nós.

domingo, 21 de outubro de 2012

Eras amor

Imaginei-te. Eras como um raio de sol que entraria pela janela do meu quarto, para me iluminar, me aconchegar e me fazer sentir mais feliz. Eras mesmo real, tinhas qualidades e defeitos, mas isso não importava. Não eras perfeito, mas eras perfeito para mim. O teu sorriso fascinava-me e o teu cabelo escuro, aos caracóis, dava vontade de perder horas a fazer-lhe festinhas. A tua tez era morena, o teu corpo esguio e a tua pele era tão macia que poderia acariciá-la vezes sem conta, sem nunca me cansar. Eras inteligente, simpático e divertido. Tinhas um sentido de humor apurado e irrepreensível. Meigo e atento, delicado e sensível, dedicado e bom amante. Eras, em tudo, aquilo com que sempre sonhei. E melhor - amavas-me. Gostavas genuinamente de mim, sem pudor de o demonstrar por palavras - "amo-te" - mas sobretudo pelos gestos e atenções que tinhas para comigo, que me faziam sentir desejada, amada e respeitada por ti. Sabia que podia confiar em ti: só tinhas olhos para mim, a tua "princesa encantada", como tantas vezes carinhosamente me chamavas, arrancando-me sempre um sorriso apaixonado. Levavas-me a passear: íamos caminhar à beira-mar, íamos conhecer sítios novos, passeávamos pela natureza, íamos ao cinema, íamos ver as estrelas, tinhamos os nossos programas a dois, como eternos enamorados - sabias sempre as pequenas coisas que me faziam feliz. Imaginei-te e tu eras tudo isto. Tudo aquilo em que acredito e considero merecer. Um dia sei que te vou encontrar e podes não ter o cabelo escuro, aos caracóis, mas desde que me queiras conquistar, amar e ser amado, podes ficar tranquilo: vou deixar-te ficar. Mariana